SUN TZU – TRÊS INSIGHTS DE SUCESSO NA OPERAÇÃO #LAVAJATO

“A melhor inteligência militar consiste em bloquear as estratégias dos inimigos, em seguida desfazer suas alianças, e por fim atacar seus soldados em seu próprio campo”

(Sun Tzu – “A arte da guerra” )

 

São tantas as traduções, versões e compilações do tratado militar conhecido em nossos dias como “A arte da guerra” do general chinês Sun Tzu (544  – 496 A.C.) que é virtualmente impossível diferenciar o que ele disse do que não disse, assim como também não temos como precisar se ele existiu realmente ou mesmo se foi uma só pessoa, o que de maneira nenhuma diminui os acertos das lições ali contidas.

Assim sendo, adotei como política de publicação citar o mestre militar chinês apenas quando os ensinamentos mencionados estão em consonância com espírito da obra que as diferentes traduções tentam captar.

Dito isto, vamos a nossa pauta, a Operação Lava Jato.

Deflagrada em 2014, esta investigação anticorrupção é seguramente a mais profunda e abrangente que já houve em toda a história do Brasil, tendo gerado desdobramentos internacionais na Colômbia, Peru, Equador, Panamá, Venezuela, EUA e República Dominicana, sendo provável que ainda alcance Chile e Argentina. Seu sucesso não foi por acaso: bem planejada, excelentemente conduzida e focada em detalhes que fechavam todos os ângulos da investigação, a Lava Jato guarda similaridade com a condução de qualquer campanha militar vitoriosa que se analise. Senão vejamos:

1- Uma operação militar é como tomar um prato de sopa quente, come-se pelas beiradas para ganhar tempo enquanto o centro esfria, isto é, atacam-se as tropas mais fracas do inimigo para depois enfrentar as fortes. Isto é feito porque ao se bater primeiramente os efetivos adversários mais fragilizados, nossas tropas terão maior chance de vitória, elevando o moral dos soldados.

Foi exatamente o que a Força Tarefa da Lava Jato fez: prendeu-se, no início de suas operações, “peixes” pequenos e médios mas, que estavam tão implicados nos delitos de corrupção que seria praticamente impossível que conseguissem levar a cabo uma defesa bem sucedida. Porém foram estas prisões (e as subsequentes delações premiadas) que abriram caminho para sucessos (e alvos) maiores no futuro. Como diz Sun Tzu :

 A pior tática é atacar uma cidade (a qual é por sua própria natureza, um alvo grande). Assediar, encurralando uma cidade só é feito como um último recurso. Deve-se bater o exército inimigo por partes, preferencialmente  em posições pouco defendidas”

http://lavajato.mpf.mp.br/entenda-o-caso

2- Todas as investigações, denúncias e provas foram muito bem protegidas sob o manto do sigilo. Desta forma, ninguém poderia prever onde seria o próximo golpe que os investigadores iriam desferir, o que desnorteava a defesa dos envolvidos. Uma boa parte das equipes da Polícia Federal envolvidas diretamente nas prisões só ficava sabendo quem eram seus “alvos” nos últimos momentos. Conforme “A arte da guerra”:

“As operações secretas são essenciais na guerra; através delas o exército se baseia para fazer cada movimento.”

E os movimentos da Lava Jato foram precisamente sincronizados com o momento político do País, tomando proveito da indignação popular com a corrupção desenfreada. O timing de todas as suas fases e subfases foi muito bem trabalhado.

3- Por fim, a liderança da Lava Jato é composta majoritariamente por comandantes altamente motivados e que se já revelaram dispostos a ir até o fim. Estes juízes, procuradores e delegados foram bem sucedidos em aglutinar ao seu redor um time de profissionais aguerridos, determinados e focados em seus objetivos. Como  dito à 2.500 anos :

“O general que avança sem cobiçar fama e se retira sem temer a desgraça, cujo único pensamento é para proteger seu país e dar um bom serviço ao seu soberano, é a jóia do reino.”

Mas há mais a dizer. Além de bons planejadores, a cúpula, da lava jato se revelou excelente em coordenar equipes, não sendo registrados casos significativos de dissidências entre seus membros operacionais. Então, encerrando com Sun Tzu:

“Sem harmonia no exército, não pode haver formação de batalha “

O trabalho realizado até agora  da Lava Jato está em consonância com tudo aquilo que o general chinês preconizava vinte e cinco séculos atrás, qual seja:

Um trabalho de Estado bem feito, com foco na natureza humana e relação custo/benefício positiva do ponto de vista material.

Você também poderá gostar de:

http://www.robinsonfarinazzo.com.br/o-maior-general-dos-estados-unidos/

Assista a seguir um trailer do novo filme sobre a Operação Lava Jato que deve estrear em breve nos cinemas:

Posted in Uncategorized and tagged , , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *