ANTES DE PARTIR PARA A ESCALA, VOCÊ DEVE TESTAR A VALIDADE DO CONCEITO

“Em se tratando de recursos públicos, é preferível gastar pouco aos poucos, com critério, avaliando resultados em períodos curtos e descartando pelo caminho práticas ineficazes ou de eficiência limitada.”

                                                        (Robinson F. Casal)

É prática comum, na indústria aeronáutica, testar exaustivamente (em túneis de vento num primeiro momento e com pilotos de provas depois) um modelo de avião ou helicóptero antes de partir para a sua produção em série. Fazemos isto para detectar eventuais falhas ou erros de projeto ocultos. E procuramos trabalhar numa simbiose muito afinada com o cliente de maneira que o mesmo seja co-partícipe do desenvolvimento e aperfeiçoamento do projeto. Esta parceria contribui para a diminuição de custos e resulta em aeronaves mais seguras. Desta maneira, quando partimos para a produção em escala, a maior parte dos limites já é conhecida e o conceito proposto, com as correções necessárias, já está consolidado. Dito isto, vamos à nossa pauta de hoje.

Preparando modelo de aeronave em túnel de vento

Do meu ponto de vista de contribuinte, parece-me espantoso como nossos governantes se utilizam banalmente da expressão “bilhões de reais” quando defrontados por qualquer demanda da sociedade. Vem uma crise de grande impacto midiático  e logo aparece na TV um ministro dizendo “Vamos destinar “X” bilhões para o plano “Y”. Será que essas pessoas não percebem que mais cedo ou mais tarde vai sobrar crise e faltar bilhões? Que a Fazenda Nacional não é cartola mágica de onde se extraem recursos mediante o mero proferir de palavras cabalísticas? E que a crise não se formou do nada, ela é fruto de contínuo descaso e reiterado descontrole dos assuntos públicos. Não seria mais inteligente (e eficiente), trabalhar como a indústria aeronáutica o faz, no sentido de planejar um pouco mais, mapear os riscos e fazer investimentos prévios que evitam que as crises se transformem em bola de neve ?

Este conceito serve para todas as áreas em que o poder público injeta recursos. Cansamos de ver hospitais do Estado que adquirem (muitos) equipamentos que não serão usados, compram uma dezena de itens quando apenas um seria necessário, ou deixam estragar por armazenamento ineficiente caríssimos medicamentos  que salvariam vidas. Todas estas incúrias não ocorreriam se fosse destinado um pouco mais de tempo no planejamento das ações governamentais. É preciso extinguir a chaga pública de gastar em escala bilionária sem antes chancelar sua necessidade/eficácia.

Eu acredito que com planejamento, honestidade e crença no futuro, o Brasil é viável.

Você também poderá gostar de:

http://www.robinsonfarinazzo.com.br/entrevista-a-revista-fuerzas-militares/

Assista o vídeo onde um piloto de provas explica alguns dos testes necessários a aprovação de um avião de combate :

Posted in Uncategorized.

2 Comments

  1. Pingback: COMO SE CONSTRÓI O PERFIL GESTOR DO MILITAR | Robinson Farinazzo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *