A LISTA DE COMPRAS DA ARÁBIA SAUDITA .

Em maio deste ano, o Presidente Donald Trump e o rei da Arábia Saudita, Salman Bin Abdulaziz AL-Saud,  assinaram um acordo no valor de US$ 110 bilhões para compras de armas e sistemas de defesa. Foi o maior negócio de venda de armas da história dos Estados Unidos.

Mas em quais itens os sauditas estão interessados ?

A página do Departamento de Estado dos EUA (https://www.state.gov/r/pa/prs/ps/2017/05/270999.htm )  é bastante vaga nesse sentido:

Segurança nas fronteiras e anti-terrorismo:

Ítens como dirigíveis, tanques, artilharia, radares de detecção de morteiros, transportes blindados de pessoal, helicópteros e treinamento associado que permitirão à Arábia Saudita proteger suas fronteiras contra ameaças terroristas e outras;

Segurança marítima e costeira:

Insumos que permitirão à Arábia Saudita defender a liberdade de navegação e impedir/ defender-se de  ataques ou incursões marítimas. Os sistemas incluem navios Combatant Multi-Mission Surface, helicópteros, patrulhas e sistemas de armas associados;

Modernização da Força Aérea:

Sistemas, apoio e treinamento que permitirão que a Arábia Saudita mantenha a vigilância aérea, assegure seu espaço aéreo e ofereça suporte aéreo próximo com recursos e processos de aquisição de alvos de precisão aprimorados. Os sistemas incluem transporte, apoio aéreo leve, aeronaves de coleta de informações e manutenção contínua para suas plataformas existentes;

Defesa do ar e dos mísseis:

Sistemas como o Patriot e o THAAD, que ajudarão a Arábia Saudita a se proteger de  mísseis ou outros ataques aéreos e

Cibersegurança e Comunicações:

Equipamentos que irão modernizar as redes de comando e controle de todas as Forças Armadas da Arábia Saudita com o objetivo de melhorar sua coesão global e eficácia operacional.

Trocando em miúdos,o eufemismo discreto do Departamento de Estado quis dizer:

– 150 helicópteros Sikorsky Blackhawk;

– 16.000 kits de bombas Paveway LGB (Laser Guided Bomb – Bombas Guiadas à Laser);

– 04 fragatas  “Multi-Mission Surface Combatants”, ou navios MMSC, que são baseados  no conceito LCS (Littoral Combat Ship Littorial) da classe Freedom;

– 48 helicópteros de carga Boeing CH-47F Chinook, mais 112 motores Lycoming T55-GA-714A que os Chinooks usam, 58 sistemas de alerta de mísseis AN / AAR-57 e 48 metralhadoras M240H de 7.62mm com peças sobressalentes e outros hardware desses helicópteros;

– Mais de uma centena de tanques M1A2 Abrams/  53 estruturas de tanques M1A1 / A2, que serão transformadas em 133 tanques principais de batalha (MBT) M1A2S . Vinte tanques adicionais substituirão os  que foram perdidos em combate;

– Adição do Sistema de Informações Inter-Veículos (IVIS). O sistema IVIS permite a troca automática e contínua de informações entre carros de combate e outros autos. O sistema incorpora informações fornecidas por um sistema de Posição / Navegação (POSNAV) a bordo, o qual aumenta a consciência situacional dos comandantes;

– Sistemas anti-mísseis MIM 104F Patriots PPAC3 e

– O avançadíssimo Sistema de defesa contra mísseis Terminal High Altitude Area Defense, ou THAAD.

Especula-se que os sauditas estariam interessados no novo jato Lockheed F-35 Lightning II, mas os EUA teriam objetado o fornecimento.

Em adição, no segundo semestre de 2017 os sauditas fecharam um acordo de 3 bilhões de dólares com a Rússia. Na pauta, mísseis antiaéreos S-400 Triumph e outros sistemas.

Assista nosso vídeo sobre os rumos da Arábia Saudita:

Posted in Uncategorized and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *